Campanha pelo fim da violência contra a mulher é lançada na Assembleia

(Fotos: Elisa Garcia Maia/Aleam)

A Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) promoveu, nesta quinta-feira (5), o lançamento da Campanha Laço Branco – Homens pelo fim da violência contra a Mulher, como parte da programação da Campanha Mundial dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher.

A cerimônia, de autoria da deputada estadual Conceição Sampaio (PP) em parceira com o presidente da instituição, Josué Neto (PSD), e da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), contou também com a presença da procuradora-chefe do Ministério Público Federal, Tatiana Almeida de Andrade; do juiz Elci Simões; do vice-presidente da OAB-AM, Marco Aurélio Choy ; vereadora Socorro Sampaio (PP); secretária executiva da mulher, Márcia Álamo; e de representantes de movimentos de mulheres.

Josué Neto destacou a importância da Campanha Laço Branco para a sociedade e de iniciativas, que assim como esta, são baseadas em educação e conscientização. “As estimativas provam que não há nada mais importante do que a educação e a conscientização. Há algum tempo tanto o Poder Executivo quanto o Judiciário tem feito a sua parte em avançar na questão e combater a violência contra a mulher e a Assembleia Legislativa está aqui hoje fazendo o lançamento desta campanha importantíssima para a sociedade”, declarou.

Conceição Sampaio agradeceu a participação das autoridades e dos movimentos sociais na solenidade e ressaltou que o problema da violência contra a mulher deve ser combatido por todos.

“A questão da violência contra a mulher não é um problema de mulheres somente, é um problema de uma sociedade que clama por mudança, de uma sociedade que não pode mais aceitar ver mulheres sendo violentadas, sendo estupradas e sendo mortas. E aí, essa conversa interessa muito a cada uma, mas a cada um porque certamente a sociedade, que nós queremos, para nós e para os nossos filhos e filhas, precisa mudar e me sinto feliz em mais uma vez a nossa Casa está também engajada na transformação social aqui do Amazonas”, destacou.

Vanessa Grazziotin, por sua vez, lamentou o aumento do número de casos de violência contra mulher, especificamente o de estupros, que cresceu 10%. “Nós devemos não só lamentar, mas nos entristecemos porque a violência contra a mulher, que já internacionalmente vem sendo tratada como feminicídio, é uma violência que cresce, sobretudo, dentro das suas próprias casas, exatamente no lugar onde as mulheres deveriam se sentir mais seguras, mas é o lugar onde elas infelizmente mais tem sofrido agressão”, contou.

O deputado estadual Arthur Bisneto (PSDB) também se pronunciou sobre o assunto dizendo ser a violência contra a mulher uma atitude covarde e que já não deveria mais existir na atualidade.

“Aprendi em casa que bater em alguém menor é covardia, portanto qualquer atitude de violência contra uma mulher, contra uma criança, contra um ser humano em desvantagem quanto a você, é um tipo de covardia que não pode mais existir na sociedade do século 21, isso é arcaico. Esta é uma campanha que tem que ser levada aos rincões do Estado porque a violência contra a mulher tem que ser abolida de vez”, afirmou.

De opinião semelhante, o deputado estadual Vicente Lopes (PMDB) lamentou que ainda exista a necessidade de se debater a violência contra a mulher e lembrou a importância das famílias em educarem seus filhos de maneira que a cultura do machismo deixe de existir na sociedade.

“Quero primeiro declarar o meu constrangimento por estar nesta tribuna para falar de algo que deveríamos ter nas ações de todos os dias, que é exatamente esse sentimento de igualdade, e quero finalizar dizendo que entendo que este é um processo cultural, educacional, familiar, é uma história que precisa ser refletida e dado o exemplo dentro de nossas casas, para nossos filhos e filhas, para que no futuro não tenhamos isso”, disse.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.