Brasil bate Nova Zelândia vai às quartas, no mundial feminino sub-17

brasil futebol feminino sub 17

brasil futebol  feminino sub 17Amazonianarede/Fifa

O Brasil garantiu neste domingo sua vaga nas quartas de final do Azerbaijão 2012 ao derrotar a Nova Zelândia por 4 a 3 na última partida do Grupo C, no Estádio 8 Km, em Baku. A equipe de Edvaldo Erlacher avança como a segunda da chave, atrás do Japão, primeiro colocado.

A Nova Zelândia surpreendeu o Brasil abrindo o placar logo aos quatro minutos com uma cabeçada de Emily Jansen após cobrança de escanteio, resultado de um bom contra-ataque puxado por Martine Puketapu pela direita. O gol não assutou as brasileiras, que partiram para cima em busca do empate, com boas jogadas de Juliae Byanca. Coube à camisa 9 empatar a partida com um belo chute cruzado e dar uma assitência precisa que iniciou a jogada do segundo gol: seu cruzamento da direita encontrou Brena, que matou na coxa e chutou, sem chance para Alfeld.

Controlando a bola em seu campo de ataque e dominando as rivais, a Seleção chegou ao terceiro com Andressinha, que cobrou o pênalti sofrido por Chaiane. Nos minutos finais, a pressão neozelandesa resultou no segundo gol: Megan Lee cruzou da esquerda, Emma Fletcher e Ana Clara chegaram juntas na bola na área e a bola tocou no pé da brasileira antes de morrer nas redes.

O Brasil iniciou o segundo tempo no ataque e a pressão foi recompensanda aos 10 minutos, quando Camila acertou um lindo chute da meia-lua, vencendo duas marcadoras com um drible de corpo. A Nova Zelândia chegou a assustar aos 25 minutos, com uma cabeçada de Jensen pouco acima do travessão e uma boa jogada de Emma Rolston, que deixou Nicole caída no chão a caminho do gol, mas Andressinha chegou a tempo para afastar a bola. Aos 32, as neozelandesas chegaram ao gol com Puketapu, que recebeu pelo meio desmarcada, entrou na área e chutou de direita com força. As brasileiras seguraram as rivais até o fim e garantiram o resultado.

Paul Temple, técnico da Nova Zelândia

“O Mundial era um grande desafio para nós porque caímos num grupo com times muito fortes, foi uma chave muito difícil. Sempre tivemos a ambição de fazer nosso melhor e passar da fase de grupos, mas vamos levar algumas boas lições de volta para casa.”

Edvaldo Erlacher, técnico do Brasil

“Sabíamos que estaríamos vulneráveis hoje, mas apostamos no nosso ataque e foi um risco calculado. Na próxima fase, não faz diferença quem vamos enfrentar, todos os times que chegaram lá são bons. Temos que nos preparar para enfrentar qualquer um e vencer.”

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.