Belém: MPE recomenda interdição do prédio do Iterpa

(Amazonianarede Diário do Pará)

O Ministério Público Estadual (MPE) tornou pública ontem, através de sua assessoria de comunicação, recomendação expedida em agosto pela Promotoria Agrária da 1ª Região objetivando a imediata interdição do prédio onde funciona, em Belém, o Instituto de Terras do Pará (Iterpa).

A vistoria no prédio foi realizada no dia 29 de julho e concluiu pela existência de riscos tanto para a integridade dos servidores que lá trabalham quanto para a incolumidade do patrimônio documental fundiário do Estado.

A Promotoria Agrária da 1ª Região do Pará abrange um universo de 75 municípios, incluindo o da capital. A promotora de Justiça Eliane Moreira Pinto, que coordenou a vistoria, encaminhou recomendações dirigidas ao Corpo de Bombeiros à presidência do Iterpa e à Secretaria Especial de Infraestrutura e Logística do Estado, à qual está subordinado técnica e administrativamente o instituto fundiário.

No documento, a promotora sugeriu ao presidente do Iterpa, Carlos Lamarão, e ao secretário Vilmos Grunvald que fossem adotadas medidas emergenciais para salvaguardar todo o acervo documental. Essa providência foi apontada pela promotora como indispensável ao bom funcionamento do Iterpa e à eficiência da gestão fundiária.

Ao Corpo de Bombeiros, a recomendação foi no sentido de proceder a imediata interdição do prédio.

O informe distribuído à imprensa pela assessoria do MPE revela que, durante a vistoria, foi constatado pela Promotoria Agrária que o prédio onde funciona o Iterpa não apresenta condições adequadas para a guarda de arquivos e para a manutenção e proteção das informações fundiárias do Estado.

Infiltrações

Essas deficiências resultam, segundo a Promotoria, das condições de degradação do prédio, arruinado por muitas infiltrações e exposto a “risco visível de incêndio”. O informe acrescenta que a ocorrência de curtos-circuitos nas instalações elétricas e alagamentos em pontos diversos do imóvel são “acontecimentos rotineiros”.

A Promotoria Agrária considerou também que o acervo fundiário do Estado não está arquivado de maneira adequada. Durante a vistoria, segundo informou o MPE, foi constatada a presença de processos espalhados pelos corredores, depositados no chão do Centro de Documentação e Informação do Instituto ou ainda precariamente guardados em lugares impróprios, como o almoxarifado e até a sala de motoristas.

O informe do Ministério Público faz ainda referência ao parecer técnico do Corpo de Bombeiros relativo a uma inspeção realizada no prédio do Iterpa em abril de 2011. Durante a inspeção, foram verificadas fissuras e trincas nas paredes e vários pontos de infiltrações. Outro ponto que mereceu a atenção dos bombeiros foi o funcionamento, no interior de um escritório em atividade, de uma subestação de energia operando em grau máximo de carga, além de um transformador sem proteção de disjuntor.

Iterpa

Ao comentar a decisão da Promotoria Agrária, o presidente do Iterpa, Carlos Lamarão, disse que as preocupações levantadas pelo MPE são pertinentes e vêm sendo objeto de atenção por parte do Estado e da direção do Instituto. Antes mesmo da vistoria, conforme frisou Lamarão, ele tomou o cuidado de realizar algumas obras pontuais de reforma do prédio, a fim de melhorar suas condições de segurança. Ao mesmo tempo, um grupo de funcionários foi submetido a treinamento para atuar emergencialmente em caso de sinistro.

Carlos Lamarão entende, porém, que tais providências são meramente paliativas, para reduzir riscos, mas não para eliminá-los. A solução mais adequada, conforme frisou, poderá vir através da aquisição de um novo prédio, por meio de um processo de desapropriação judicial por interesse público. A direção do Iterpa já sugeriu tal providência ao Executivo, apontando inclusive como opção um imóvel de quatro andares localizado na rua Antônio Barreto.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.