AC: Indústria de embutidos de peixe do Bujari fortalece a piscicultura no estado

A primeira indústria de embutidos de peixe do Bujari é um dos exemplos de apostas bem sucedidas do governo do Acre no setor. Inaugurada em abril do ano passado, ela tem capacidade para processar até 30 toneladas de peixe por mês.

A produção neste momento está focada no fornecimento para a merenda escolar da rede pública de ensino.
O empreendimento é um sonho realizado para os produtores que integram a Cooperativa de Produtores e Criadores Rurais (Coopeixe). Os resultados se devem à união dos mais de 200 cooperados. O corpo técnico da empresa, em geral, é ocupado por pessoas ligadas à produção, o que potencializa o funcionamento dela.

A indústria faz o processamento de 2 mil quilos de peixe diariamente para atender as demandas de secretarias, instituições filantrópicas e escolas. Parte da produção também é destinada à Casa do Índio e hospitais. O peixe fornecido para o cardápio escolar passa por um processo de retirada de escamas e espinhas. Em seguida a carne é separada mecanicamente, surgindo um picadinho de peixe. A novidade para os alunos melhora inclusive a qualidade do aprendizado, já que o alimento é uma fonte de proteínas, ômega 3 e de uma série de nutrientes, que elevam o valor nutricional e melhoram o desenvolvimento intelectual e físico.

As expectativas ainda são muitas. A implantação do Complexo Industrial de Piscicultura é muito esperada pela Coopeixe. “O Complexo Industrial para nós é algo que a gente espera com bastante carinho porque vai beneficiar desde o pequeno ao grande produtor”, explica o presidente da cooperativa, Roberto Diógenes.

Em breve, os embutidos também poderão ser comercializados nos supermercados. “Nós estamos aguardando a confecção de novas embalagens para tentarmos parcerias com os supermercados e levarmos o nosso produto para as prateleiras também”, complementou.

Na trajetória da indústria, desde a sua inauguração até aqui, não apenas o produtor foi beneficiado. Nesse processo também ganha a população do município, com o aumento da oferta de empregos e ganha também o consumidor, que tem um produto de qualidade.

Hoje, 26 funcionários compõem o quadro da empresa. Gleide Magalhães conta como foi sair da zona rural para trabalhar no Bujari, sua primeira experiência de emprego. “Eu cheguei aqui logo quando começou a funcionar, sem saber de nada, sempre fui da zona rural e isso foi uma grande oportunidade pra mim; passei por cursos e treinamentos e hoje sou uma pessoa independente, tenho meu próprio dinheiro, depois da carteira assinada tudo mudou na minha vida”, afirma.

Os produtores cooperados fornecem diretamente o peixe para a indústria. Alguns chegam a entregar toda a sua produção. Paulo Sérgio Peres é um dos produtores cooperados e explica qual o maior benefício da existência da Coopeixe para a classe. “A evolução da produção quando se tem a intervenção da cooperativa é algo indiscutível, o meu sonho era que todas as nossas produções passassem por cooperativas, porque elas facilitam tudo, e o maior benefício para o produtor que trabalha na piscicultura é o giro mais rápido, já que ele pode reduzir o tempo que levaria para lucrar com a produção; nós podemos reduzir para até cinco meses o tempo estimado para ter ganhos, diferente de antes, quando era preciso pelo menos 12 meses”, diz Peres.

(Agência Acre) 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.