Na Arena da Amazônia, Nacional se despede de 2015 com vitória da “Série D”

O jogo foi só para cumpri tabela
O jogo foi só para cumpri tabela
O jogo foi só para cumpri tabela

Amazonas – Foi muito pouco para a torcida nacionalina, mas o Naça, se despediu com vitória da Série D do Campeonato Brasileiro, vencendo o Náutico de Roraima por 2 a 1 na Arena da Amazônia. O jogo não valia nada, era só tabela, e mesmo assim os times se esforçaram. Mas só até o primeiro tempo.

O jogo ficou mais de 45 minutos paralisado por falta de ambulância, que precisou transportar um atleta para atendimento médico. Num jogo de “três tempos”, o Nacional acabou batendo a equipe de Roraima por 2 a 1. Os gols foram de Hayllan e Weverton. Washington diminuiu.

Com equipes mistas, as equipes serviram uma partida movimentada e mostraram desempenho bem contrário ao que estava sendo apresentado ao longo das últimas rodadas.

No jogo, o Nacional soube usar o fator “casa” para se impor, e dominou praticamente o jogo inteiro. Aos 14 minutos conseguiu abrir o placar com Hayllan, que recebeu belo passe de Andrézinho. Na sequência, com Peter e Andrézinho atuando como alas, o leão ganhou movimentação e fluência.

Não demorou muito para que, aos 29 minutos, Weverton ampliasse o placar. De novo, com passe pontual de Andrézinho, o atacante só precisou colocar para dentro. Com o segundo tento, o Náutico chegou a esboçar reação e soube explorar o ponto fraco do time da casa: o setor defensivo. Só no primeiro tempo fez duas investidas pela ponta direita, e quase teve sucesso.

Atraso

Mas aí as coisas começaram a dar errado. Antes do fim do primeiro tempo Alex, do Náutico, sofreu contusão na cabeça. Ele ainda tentou ficar em campo, mas logo foi substituído e levado ao hospital. Acontece que, a ambulância saiu da Arena e foi até o Hospital 28 de Agosto (zona Centro-Sul).

Quando chegou lá, foi encaminhada para o João Lucio (Zona Leste), hospital que costuma tratar casos de lesões na cabeça e coluna. Como diz a regra, o jogo não pode seguir sem ambulância no local. Na transição de zonas, o automóvel de socorro demorou muito mais para entregar o atleta e retornar ao estádio.

No fim, foram 40 minutos de paralisação por conta do atraso da equipe médica. Somados aos 15 minutos de intervalo, o jogo na Arena acabou tendo duas horas e 25 minutos de duração.

A Arfena recehbu um publico de minuto, mas quem foi gostou da vitória do Mais Querido
A Arfena recehbu um publico de minuto, mas quem foi gostou da vitória do Mais Querido

Segundo tempo

Depois de todo o atraso, o árbitro deu início ao segundo tempo. Mas já tinha dado tempo suficiente para todo mundo em campo esfriar. Só nos primeiros 10 minutos, dois atletas – um de cada equipe – foram atendidos por conta de câimbras. E o jogo perdeu ritmo. Bola aqui e lá, uma corridinha ali pelo meio, e umas finalizações sem força resumem os 45 minutos finais.

Mas no meio disso, aos 38, o Náutico fez questão de diminuir a vantagem do time de casa. Washington, em ataque fulminante, invadiu a área pela ponta canhota e chutou sem dar muitas chances para o goleiro Wagner. 2 a 1. Pouco tempo depois o árbitro expulsou o zagueiro do Nacional Maurício Leal, e deu quatro minutos de acréscimo. Mais quatro? Aos 46 ele voltou atrás, ignorou os acréscimos, e encerrou a partida.

Amazonianarede

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.