Fusão: PPS e PMN desaparecem e surge a Mobilização Democrática

Brasília – O PPS e o PMN oficializaram hoje, quarta-feira (17), a fusão dos dois partidos em reunião realizada em Brasília. O nome do novo partido será MD (Mobilização Democrática), o mesmo escolhido em 2006 quando as duas legendas, além do PHS, ensaiaram uma união, que na ocasião não foi para frente.

No comando da nova legenda ficará o ex-presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP). Já o deputado Rubens Bueno (PR), atual líder do PPS na Câmara, vai acumular o posto de secretário-geral e o de líder do MD. A vice-presidência e a tesouraria devem ficar com um integrante indicado pelo PMN.

Os mandatos terão a duração de dois anos, podendo haver uma única reeleição.

De posse da ata da reunião, estatuto, manifesto e da composição do diretório nacional, os dirigentes da nova legenda pretendem formalizá-la no cartório ainda hoje para o processo de fusão seguir para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Pelas contas da cúpula do partido, o MD terá 13 deputados federais, 58 estaduais, 147 prefeitos e 2.527 vereadores. Em todo o Brasil serão 683.420 filiados.

A direção nacional ficará divida com 40% dos cargos para o PPS e o mesmo percentual para o PMN. O restante (20%) ficará aberto para a adesão de integrantes de outras legendas.

Urgência

A realização do congresso dos dois partidos ocorre ao mesmo tempo em que o plenário da Câmara iniciou o processo de votação do projeto que restringe o acesso ao fundo partidário e ao tempo de televisão às legendas que não tenham disputado eleições.

As conversas para uma fusão do PPS e PMN estavam programadas para serem concluídas apenas no meio do ano. Diante da movimentação de integrantes da base aliada do governo para aprovarem a proposta, os dirigentes das duas legendas convocaram o encontro em “caráter de urgência” para decidiram pela união.

O projeto também pode ter efeito para a Rede Sustentabilidade, legenda que a ex-senadora Marina Silva corre para viabilizar de olho na disputa ao Palácio do Planalto de 2014. Na eleição presidencial de 2010, Marina recebeu cerca de 20 milhões de votos.

Por não se tratar de uma fusão, a Rede ainda precisa da coleta de cerca de 500 mil assinaturas em nove Estados para poder ter o registro eleitoral.

Caso seja aprovado na Câmara hoje, o projeto ainda precisar ser votado no Senado para, em seguida, seguir para sanção da presidente Dilma.

Janela

Com a criação do MD abre-se um prazo de 30 dias para que os políticos mudem para o partido sem o risco de perder o mandato. Esse período é conhecido como “janela”.

No radar do novo partido está a possibilidade de o ex-governador José Serra deixar o PSDB para ingressar ao MD. O tucano participou na semana passada de evento promovido pelo PPS onde defendeu a união de forças da oposição contra possível candidatura de Dilma à reeleição.

Outra hipótese discutida é o apoio à possível candidatura à Presidência do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), ou até mesmo de Marina Silva

Fonte – Uol

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.