Dia de Campo mostra como recuperar pastagens com eficiência e menor custo no AM

Dia de campo
Dia de campo
Dia de campo

Manaus – Mais da metade das áreas de pastagens do Amazonas encontra-se em estado de degradação. Com a pastagem degradada, a alimentação para o rebanho fica escassa, a produção pecuária é baixa e a ocupação de áreas é pouco eficiente

Uma opção recomendada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para recuperar pastagens com menor custo, agregando retorno econômico ao produtor, diversificação na produção de alimentos e benefícios ambientais na propriedade é o sistema de Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF).

Para mostrar de forma prática como essa tecnologia pode ser adotada por pecuaristas no Amazonas será realizado na quinta-feira, 12 de fevereiro, no município de Autazes (AM), o Dia de Campo Recuperação de Pastagem pelo Sistema Integração Lavoura Pecuária Floresta.

O Dia de Campo será realizado das 8h às 13h na fazenda Peixe Boi, propriedade do senhor Allan Kardec Figueiredo Filho, no km 19 do ramal do Novo Céu, com acesso ao ramal pelo km 82 da estrada de Autazes. No local foi implantada uma Unidade de Referência Tecnológica (URT), que é uma área destinada a servir de referência na demonstração da tecnologia aos produtores da região. A URT começou a ser implantada em novembro.

O solo dessa área recebeu aração, gradagem, aplicação e incorporação de calcário, adubação fosfatada e nitrogenada, seguida do plantio de milho e forrageira. O milho é das cultivares BR 106, BR Sempre Verde e híbrido G1051 e a forrageira utilizada é o capim Mombaça.  A URT é a base para capacitação de produtores que quiserem conhecer e adotar a tecnologia em sua propriedade.

Durante o Dia de Campo serão apresentadas informações sobre o sistema ILPF, sobre as técnicas adotadas na URT em Autazes e serão esclarecidas dúvidas dos participantes. O evento é destinado a agricultores, pecuaristas, técnicos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), gestores e técnicos de órgãos do setor primário, imprensa, agências de fomento e demais interessados em tecnologias para o setor agropecuário.

O município de Autazes é o segundo mais representativo em pecuária leiteira no Amazonas, onde estão em atividade cerca de 1.200 produtores, que também enfrentam o problema das pastagens degradadas nas áreas de terra firme.

O dia de campo promovido pela Embrapa, no próximo dia 12 de fevereiro, faz parte das ações da Rede Fomento ILPF e do projeto Pecuária Sustentável/Pró-Rural. O evento conta com o apoio do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam – Escritório Local de Autazes) e da Prefeitura de Autazes.

ILPF no Amazonas

Ao todo existem oito municípios com URTs de Lavoura Pecuária Floresta implantadas no Amazonas. As URTs em Autazes e Manaquiri recebem o apoio da Rede Fomento ILPF, que é uma Parceria Pública Privada, formada pela Cocamar, John Deere, Parker, Syngenta e Embrapa. Outra iniciativa que dissemina a tecnologia ILPF no estado é o Projeto Pecuária Sustentável, coordenado pela Embrapa Amazônia Ocidental dentro do Programa Estratégico de Transferência de Tecnologias para o Setor Rural (Pró-Rural). O Pró-Rural é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com a Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror-AM) e Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM).

O coordenador do projeto Pecuária Sustentável, Jasiel Nunes, informa que pelo projeto já estão implantadas URTs de ILPF nos municípios amazonenses de Autazes, Humaitá, Manacapuru, Parintins, Barreirinha, Presidente Figueiredo e sul de Lábrea.

campo 2 O projeto está atuando em 11 municípios do Amazonas, onde diversos profissionais (técnicos agrícolas, agrônomo, veterinário e zootecnista) contratados como bolsistas do projeto realizam ações para apresentar aos produtores alternativas tecnológicas que ajudam a recuperar as pastagens degradadas e com isso viabilizam o crescimento dos rebanhos e o aumento na produção de carne e leite nas mesmas áreas existentes, sem precisar ampliar as pastagens.

O pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, Rogério Perin, explica que em áreas de pastagens degradadas, normalmente, é necessário o espaço de um hectare de pasto para alimentar um animal, enquanto a mesma área de um hectare com pastagem recuperada pode dar suporte para alimentar cinco animais, dependendo da forrageira escolhida.

Perin informa que no Amazonas 60% das áreas de pastagem em terra firme se encontra degradada ou em estado de degradação, segundo estimativa feita pela Embrapa com base em dados do Idam. O pesquisador explica que a recuperação da pastagem tem um custo alto para o produtor e o retorno vem após seis meses quando a área se tornar apta ao pastejo de animais.

Com o sistema de integração utilizando o plantio de culturas anuais (grãos, como milho ou feijão, por exemplo), esse investimento na recuperação do pasto é amortizado com os ganhos da venda dos produtos da lavoura.

No Amazonas, o milho é uma lavoura indicada para a integração com a pastagem e tem a preferência dos produtores pela vantagem de ter opções de venda como milho verde, grão seco e uso na propriedade como silagem. Segundo o pesquisador Jasiel, o custo médio de recuperação da pastagem é de R$ 4.500 por hectare.

Ele explica que se o produtor utilizar todas as tecnologias recomendadas na URT e se fizer um planejamento com antecedência para garantir a venda do milho verde, a produtividade obtida em um hectare rende em torno de R$ 6 mil, o que é suficiente para cobrir todos os custos da recuperação da pastagem, segundo Jasiel. As outras opções de venda do milho em grão seco ou de preparação de silagem para alimentar os animais, conforme explica o pesquisador, também gera economia para o produtor, porém em valores menores que o milho verde.

campo 3 O ILPF vem sendo recomendado pela Embrapa nas várias regiões do Brasil como importante estratégia para agregar à produção agropecuária mais sustentabilidade socioeconômica e ambiental. Em cada bioma e nas diversas regiões, o sistema é adequado para diferentes formatos e finalidades. A maior representatividade de adoção do sistema ILPF predomina nas regiões Centro-Oeste e Sul do País.

Além da diversificação na renda do produtor rural, a integração de atividades agrícolas, pecuárias e florestais pelo ILPF na mesma área resulta também em benefícios ao meio ambiente, como melhorias no solo, equilíbrio na utilização dos recursos naturais e diminuição das emissões de gases de efeito estufa.

Amazonianarede-Kennedu Lyra

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.